Publicações> Artigos > Comercialização da Noz em Portugal Voltar Imprimir
 

 

 
Comercialização da Noz em Portugal

A nogueira (Juglans regia L.) teve a sua origem no Sudoeste Asiático e Mediterrâneo Oriental e foi introduzida na Europa pelos Romanos. Hoje em dia, a nível mundial, os maiores produtores de noz são a China, a Índia, a Turquia, o Irão, os EUA, a Itália e a França.

Em Portugal, esta cultura encontra-se como árvore dispersa um pouco por todo o país. Os pomares ordenados assumem maior importância nas regiões de Trás-os-Montes (Bragança e Mirandela), Beira Litoral (Condeixa, Penela e Miranda do Corvo), Alentejo (Estremoz, Arraiolos, Portalegre, Castelo de Vide e Marvão) e Ribatejo e Oeste.

A área de cultura em Portugal é de 3155 hectares e a produção é superior a 4500 toneladas anuais. É no Alentejo, em particular nos concelhos de Estremoz e Arraiolos, que se obtêm as maiores produtividades do país, devido à natureza dos pomares, na sua maioria bem implantados e com técnicas de condução bem adequadas.

Apresenta diversas variedades cultivadas, que geralmente se reproduzem por enxertia, tais como Franquette, Hartley, Mayette, Chandler, Lara, Frenor e Howard.

Este fruto possui uma casca muito rija e enrugada e o interior dividido incompletamente em dois ou quatro células. Trata-se dum alimento muito nutritivo, com um alto valor calórico (cerca de 700 kcal/100g) e entre as vitaminas presentes, as mais importantes são as do grupo B e o ácido fólico. É a olaginosa mais rica em cobre e zinco, rica em ácido linoleico e com valores interessantes de potássio, magnésio, sódio, fósforo, enxofre, ferro e cálcio. A nível medicinal, tem um efeito anti-helmíntico, adstringente, bactericida, depurativo, detergente, digestivo, diurético, hemostático, insecticida, laxativo, tónico e vermífugo.

As nozes, de sabor agradável e ricas em óleo, consomem-se directamente ao natural ou na confecção de pratos, molhos e sobremesas ou são espremidas para obter o óleo de noz, que se utiliza como óleo alimentar, como combustível ou como base de determinadas pinturas.

Em anos de boa colheita, uma árvore de copa grande pode produzir até 150 kg de nozes. A madeira da nogueira é considerada uma das mais valiosas das diversas classes de madeira existentes entre nós. É de uma dureza comparável à do carvalho, mas fácil de trabalhar, e além disso é extraordinariamente decorativa pelos tons vivos e escuros do seu durame.

Após colhidas, as nozes são lavadas e espalhadas em tabuleiros com lamelas separadas no fundo, não devendo ser expostas ao sol o dia inteiro. Se secarem muito rápido, a casca parte e abre. Em pomares de grande dimensão existem mesmo instalações próprias para a secagem das nozes. Depois de secas,  as nozes são avaliadas e embaladas, podendo comercializar-se com ou sem casca.

Em Portugal, a época de comercialização efectua-se desde meados de Setembro a meados de Janeiro. A noz nacional tem boa procura, pela qualidade intrínseca que possui, pelo que o seu escoamento se processa com relativa facilidade ao longo da campanha. Cerca de 50% da noz destina-se às grandes superfícies de venda, 10% aos mercados grossistas regionais e 40% aos retalhistas e confeitarias. Os intermediários, que funcionam com ajuntadores, ainda têm representatividade em algumas regiões. Os preços mantêm-se constantes ao longo da campanha de comercialização.

A balança comercial é deficitária, mas sem grandes variações ao longo dos últimos anos. As vendas ao exterior são reduzidas e destinam-se a Espanha e aos PALOP. França é o maior fornecedor de noz sem casca, seguida pelo Chile e por Espanha. A noz sem casca é importada maioritariamente do Chile, Espanha, França e Índia.

No Alentejo, na zona de Estremoz, perspectiva-se nos próximos anos a entrada em produção de 122 hectares de novos pomares. Em Beja têm-se efectuado reversões dos pomares, utilizando variedades mais produtivas e mais resistentes aos picos de calor que se fazem sentir na região. Inversamente, em Portalegre (Marvão), assiste-se a uma intensa diminuição da área de nogueiras, tanto por abandono, como por arranque, motivada pela desorganização da produção e comercialização.

 
 
 
 
home
Página de Entrada
 
Opinião
 
Links Úteis
 
Pesquisa
 
Mapa do Sítio
     
Intranet  
 
Username:
 
 
Password:
 
     
   
Entrada    ::    OMAIAA    ::    Publicações    ::   Mercados   ::   O Seu Olhar    ::    Notícias    ::    Contactos
Copyright 2011 © Observatório dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares