Notícias > Vinhos Verdes_Produção cai 15% este ano
  Voltar Imprimir
 

 

 
  Vinhos Verdes_Produção cai 15% este ano

A região dos vinhos verdes deverá produzir menos 15 por cento este ano, face a 2011, e «no vinho alvarinho a quebra poderá ser superior a 20 por cento», de acordo com estimativas da própria Comissão de Viticultura.

«As chuvas e as temperaturas baixas» prejudicaram tanto a floração como a fecundação, explicou o Instituto da Vinha e do Vinho (IVV), na sua mais recente previsão de colheita.

O presidente da Comissão dos Vinhos Verdes, Manuel Pinheiro, admitiu à agência Lusa que o efeito possível dessa menor produção é que o preço pode «encarecer um tudo-nada».

As previsões do IVV apontam também para uma queda de 10 por cento na produção do Bairrada e do Dão, de «três a cinco por cento» no Alentejo e de 15 por cento no Algarve, por comparação com a do ano passado.

Na Bairrada, o presidente da respectiva Comissão Vitivinícola, José Pedro Soares, prevê, contudo, que a qualidade do vinho atingirá um «padrão médio alto», podendo aproximar-se do de 2011, que «foi um ano de excelência». Também aqui, como no Dão, a vinha ressentiu-se de «condições climatéricas adversas».

Ainda assim, o IVV prevê que a produção de vinho na campanha deste ano atinja um volume de quase seis milhões de hectolitros, «o que se traduz num aumento de quatro a cinco por cento» face à campanha anterior.

Salvo nas regiões referidas anteriormente, espera-se um aumento da produção na maioria das regiões vitivinícolas do continente. O instituto prevê um aumento de 20 por cento na produção de Trás-os-Montes e de «cinco por cento» no Douro, um valor muito aquém dos 20 por cento que foram previstos no final de Junho.

As razões invocadas para essa revisão em baixa na região duriense são «a seca, o granizo e o desavinho» ou maturação imperfeita dos cachos. Na Beira Interior e Távora-Varosa, o IVV espera um aumento de 10 por cento na produção.

As perspectivas para as regiões do Tejo, Península de Setúbal e Lisboa, são de um ano normal, o que se traduz em acréscimos entre 20 a 25 por cento comparativamente ao ano passado. Ao contrário do que se verificou em 2011, nas três regiões não há notícia de doenças ou pragas significativas.

No Alentejo, a menor produção poderá ser compensada por uma «boa» qualidade geral das uvas. O Algarve ressentiu-se da «fraca pluviosidade no inverno e na primavera» e tudo indica que vai ter «o menor volume de produção de vinho das últimas campanhas», mas de «boa qualidade». Nas Regiões Autónomas, a Madeira espera um crescimento na ordem dos 24 por cento, ao passo que nos Açores estão previstas «quebras muito elevadas, especialmente nas ilhas do Pico e São Jorge», devido a condições sanitárias negativas.

 

Fonte: Lusa

 
 
19-09-2012
       
 
   
 
 
home
Página de Entrada
 
Opinião
 
Links Úteis
 
Pesquisa
 
Mapa do Sítio
     
Intranet  
 
Username:
 
 
Password:
 
     
   
Entrada    ::    OMAIAA    ::    Publicações    ::   Mercados   ::   O Seu Olhar    ::    Notícias    ::    Contactos
Copyright 2011 © Observatório dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares