Notícias > INE: Chuva aumenta produtividade do olival mas diminui do tomate
  Voltar Imprimir
 

 

 
  INE: Chuva aumenta produtividade do olival mas diminui do tomate

Este ano, os olivais vão aumentar 40 por cento a produção, enquanto o tomate industrial vai cair 20 por cento por causa da chuva e o vinho mantém o nível de produção de 2012, segundo previsões do Instituto Nacional de Estatística (INE).

A chuva no final de Setembro e princípio de Outubro provocou o apodrecimento de muito tomate ainda por colher, sendo essa a razão por que as previsões agrícolas do INE, a 31 de Outubro, indicam uma quebra na produção deste ano, face à do ano passado, e uma qualidade média inferior do tomate para a indústria.

A chuva também atrasou as colheitas de outras culturas de Primavera/Verão, como o milho e arroz, as vindimas e a preparação dos solos para a instalação de novas culturas, perturbando ainda a realização dos trabalhos habituais para época.

Mas no caso do milho, em resultado exclusivamente do aumento da área semeada, prevê-se que a produtividade se mantenha ao nível de 2012, traduzindo um aumento de produção de 10 por cento. Nos milhos de sequeiro, a produção deverá aumentar cinco por cento face a 2012.

O INE calcula que a produção total de milho prevista, de 932 mil toneladas, seja uma das maiores das últimas décadas, apenas superada pela produção de 1998 981 mil toneladas, mas com uma área 2/3 superior à actualmente cultivada.

A colheita de arroz encontra-se atrasada e a decorrer com dificuldades, em terrenos muito encharcados pela chuva, e a acama, provocada pela chuva e ventos fortes, conduziu à perda de produção, prevendo o INE uma redução da produção de 10 por cento face à anterior campanha, que deverá rondar as 168 mil toneladas, valor próximo da média do último quinquénio.

O kiwi, com uma fraca polinização e problemas fitossanitários graves, deverá ter uma quebra na produção de 10 por cento, enquanto a amêndoa deverá registar uma das piores campanhas das últimas décadas, com -40 por cento.

Em contrapartida, a chuva de Setembro trouxe «bastantes» benefícios aos pomares de maçã e pera, nomeadamente por ter elevado o teor de humidade do solo, prevendo-se aumentos de produção de 30 e 75 por cento, respectivamente.

Na azeitona para azeite, o INE prevê-se um aumento do rendimento unitário de 40 e de 25 por cento na azeitona de mesa, face a 2012, o que a confirmar-se posiciona a campanha de 2013 como uma das melhores das duas últimas décadas.

Apesar de as chuvas terem contribuído para engrossar a azeitona, também criaram condições propícias para o desenvolvimento de pragas e doenças, situação que o INE diz poder afectar a qualidade da azeitona.

No milho as estimativas também são animadoras, prevendo-se também uma campanha «muito produtiva», que ultrapassa as 900 mil toneladas, o que já não ocorria desde 2001.

As previsões para a campanha vitivinícola apontam para uma manutenção da produção, com alguma diminuição da qualidade dos mostos obtidos nas vindimas após as chuvas do princípio do mês.

Fonte: Lusa

 
 
20-11-2013
       
 
   
 
 
home
Página de Entrada
 
Opinião
 
Links Úteis
 
Pesquisa
 
Mapa do Sítio
     
Intranet  
 
Username:
 
 
Password:
 
     
   
Entrada    ::    OMAIAA    ::    Publicações    ::   Mercados   ::   O Seu Olhar    ::    Notícias    ::    Contactos
Copyright 2011 © Observatório dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares