Notícias > Centenas de marcas de vinho internacionais e portuguesas disputam mercado chinês
  Voltar Imprimir
 

 

 
  Centenas de marcas de vinho internacionais e portuguesas disputam mercado chinês

Centenas de marcas de vinho, da Argentina à Austrália, disputam a crescente apetência por novos sabores da emergente classe média chinesa, mas o director-geral da Quinta da Alorna, Pedro Lufinha, não se mostra preocupado com a concorrência.

«Os chineses estão agora a começar a beber vinho e isso, para nós, é uma grande oportunidade», disse Pedro Lufinha à agência Lusa, em Pequim, onde aquele produtor português e o seu distribuidor chinês, Wang Jingli, reuniram na semana passada dezenas de profissionais do sector.

Muitos outros produtores portugueses têm agentes na China e três deles, a Enoport, Sogrape e Enoforum Carmim, abriram já um escritório em Xangai, a mais cosmopolita chinesa e sede de um município com cerca de 23 milhões de habitantes. Os números parecem dar razão ao optimismo de Pedro Lufinha.

Nos últimos quatro anos, indicam os dados da Administração-geral das alfândegas chinesas, as exportações de vinhos portugueses para a China quase triplicaram e, só no primeiro semestre de 2013, somaram 8,494 milhões de euros.

Pelas contas da ViniPortugal, que não incluem os vinhos do Porto e Madeira, a China é já o quinto maior mercado português fora da Europa, depois de Angola, Estados Unidos, Brasil e Canadá, enquanto há quatro anos não figurava sequer entre os trinta primeiros.

Na 17.ª edição da "Food and Hospitaly China" (FHC China), realizada em Xangai em Novembro passado, Portugal esteve representado por um número recorde de quase 70 empresas vinícolas e alimentares.

Segundo estimativas ocidentais, as vendas de vinho na China, sobretudo tintos, mais do que duplicaram nos últimos cinco anos, para 17.100 milhões de euros e deverão continuar a crescer a um ritmo idêntico até 2016.

A China, entretanto, também está a apostar na produção e de acordo com algumas projecções, dentro de cinco anos poderá mesmo tornar-se o maior produtor mundial, ultrapassando a Itália, Espanha e França.

Em 2012, a extensão das vinhas chinesas cresceu 90 por cento em relação ao ano anterior, para 570 mil hectares (ha), aproximando-se da França, com 800 mil ha e da Espanha, com um milhão de ha, indica um estudo divulgado a semana passada em França.

Neste, como noutros sectores, o investimento da China não se confina às suas fronteiras Nos últimos anos, empresas chinesas compraram várias vinhas francesas, entre as quais as do Chataeu Lafitte Chenu, em Bordéus.

O consumo per capita, no entanto, continua muito baixo: em média, os chineses bebem quarenta vezes menos vinho do que os portugueses. O aumento do consumo do vinho na China está também associado à emergência de uma classe média cada vez mais cosmopolita e à acelerada urbanização do país.

Em 2011, a percentagem da população urbana ultrapassou os 50 por cento e deverá chegar aos 70 por cento em 2030, o que significa que cerca de trezentos milhões de chineses irão radicar-se nas cidades durante as próximas duas décadas.

 

Fonte: Lusa

 
 
04-12-2013
       
 
   
 
 
home
Página de Entrada
 
Opinião
 
Links Úteis
 
Pesquisa
 
Mapa do Sítio
     
Intranet  
 
Username:
 
 
Password:
 
     
   
Entrada    ::    OMAIAA    ::    Publicações    ::   Mercados   ::   O Seu Olhar    ::    Notícias    ::    Contactos
Copyright 2011 © Observatório dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares