Notícias > O índice de preços dos alimentos da FAO atingiu em Julho o nível mais baixo dos últimos seis meses
  Voltar Imprimir
 

 

 
  O índice de preços dos alimentos da FAO atingiu em Julho o nível mais baixo dos últimos seis meses

Cereais, oleaginosas e produtos lácteos contribuem para que o índice seja o menor desde Janeiro 2014.

07 de Agosto de 2014, Roma - O índice de preços dos alimentos da FAO caiu em Julho, pelo quarto mês consecutivo, especialmente devido a uma queda acentuada nos preços internacionais de milho, trigo e algumas oleaginosas cuja oferta é relativamente abundante mercado.

Tendo por base o preço de um cabaz deprodutos alimentares comercializados mundialmente, o índice de preços dos alimentos da FAO foi emmédia de 203,9 pontos em Julho de 2014, tendo sofrido uma redução de 4,4 pontos(ou 2,1%) em relação ao valor revisto de Junho de 2014 e posicionando-se 3,5pontos (ou 1,7%) abaixo do nível de Julho de 2013.

De acordo com o FAO Senior Economist Concepcion Calpe «O persistente declínio dos preços dos alimentos que se tem verificado desde Março, reflecte resultados muito melhores do que os esperados para as campanhas actuais e futuras, em particular no caso dos cereais e óleos, uma situação que deve ajudar a recuperação dos stocks mundiais.

Ainda que os preços da carne tenham subido em Julho pelo quinto mês consecutivo e os preços do açúcar se tenham mantido firmes, a redução nos preços dos cereais, oleaginosas e produtos lácteos empurrou o índice de preços dos alimentos da FAO para o nível mais baixo registado desde Janeiro de 2014.

"O mercado de produtos de origem animal tem sua própria dinâmica: no que diz respeito às carnes, com importância acrescida para a carne de bovino, muitos países exportadores estão a tentar recompor os seus efectivos animais, o que limita a disponibilidade para exportação e suporta os preços” acrescenta Calpe.

"Relativamente aos produtos lácteos, são elevados os stocks disponíveis para comercialização, o que,combinado com a desaceleração da demanda de importação pesou sobre os preços em Julho" refere o especialista da FAO.

 Queda dos preços dos cereais e oleaginosas

O índice FAO de preços dos cereais alcançou em média 185,4 pontos em Julho, tendo sofrido uma redução de 10,7 pontos (ou 5,5%) em relação a Junho e encontrando-se 36,9 pontos (ou 16,6) abaixo do nível de um ano anterior.

A queda nos preços internacionais de milho (- 9,2% em relação a Junho) e trigo (- 5,8%) reflectiu as excelentes perspectivas de produção e a abundância de bens disponíveis exportação em 2014/15.

Em contrapartida, os preços do arroz sofreram um ligeiro aumento, devido a procura sustentada de importações, especialmente porque as vendas da Tailândia a partir das reservas públicas não foram retomadas.

O índice FAO de preços dos óleos vegetais atingiu em média 181,1 pontos em Julho, tendo sofrido uma redução de 7,7 pontos (ou 4,1%) relativamente a Junho. O contínuo declínio deve-se aos reduzidospreços de soja e óleo de palma.

Os preços do óleo de soja caíram principalmente devido a perspectivas de boa safra nos Estados Unidos e abundante oferta na América do Sul. Os preços do óleo de palma dimunuiramdevido ao poder da moeda da Malásia e à desaceleração da procura mundial.Quanto ao preço de colza e de girassol, também estes sofreram quebras, devido às boas perspectivas de safra para 2014/15.

O índice FAO de preços de produtos lácteos registou uma média de 226,1 pontos em Julho, redução de 10,3 pontos (ou 4,4%) em relação a Junho e 17,5 pontos (ou 7,2%) menos do que em igual período do ano passado. A tendência deve-se à diminuição da procura para importação, notávelno que toca a compra de manteiga de amendoim que diminuiu nos países islâmicos,durante o mês de ramadão.

Aumento do preço da carne e volatilidade dos preços do açúcar

A elevada procura de carne na Ásia, particularmente na China, ajudou a revigorar o Índice FAO dos preços da carne, que foi em média 204,8 pontos em Julho, cerca de 3,7 pontos (ou 1,8%) superior ao registado em Junho e 25,4 pontos (14,1 por cento) acima do registado no mesmo período do ano passado. Os preços médios da carne de avese ovinos aumentaram, enquanto os preços médios da carne suína sofreram umaligeira quebra a partir do nível do nível record de Junho.

O Índice FAO do Preço do Açúcar obteve em média 259,1 pontos em Julho, cerca de 1,1 pontos (ou 0,4%) acima do obtido em Junho e 20,2 pontos (8,4 cento) mais do que em Julho de 2013. A relativa volatilidade dos preços internacionais do açúcar ao longo dos últimos três meses deve-se à incerteza acerca do impacto da seca em cana-de-açúcar no Brasil, o maior produtor e exportador de açúcar. Podendo ainda ser explicada pela previsões que indicam que as  chuvas de monção seriam menos do que a média na Índia, o segundo maior produtor de açúcar.

Fonte: FAO

 
 
13-08-2014
       
 
   
 
 
home
Página de Entrada
 
Opinião
 
Links Úteis
 
Pesquisa
 
Mapa do Sítio
     
Intranet  
 
Username:
 
 
Password:
 
     
   
Entrada    ::    OMAIAA    ::    Publicações    ::   Mercados   ::   O Seu Olhar    ::    Notícias    ::    Contactos
Copyright 2011 © Observatório dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares