Notícias > Portugal: comércio a retalho regista a segunda maior queda da UE
  Voltar Imprimir
 

 

 
  Portugal: comércio a retalho regista a segunda maior queda da UE

Em Portugal, o comércio a retalho subiu 0,7% em Outubro face ao mesmo mês de 2013, tendo no entanto sofrido um decréscimo em relação a Setembro (- 1,6%), evidenciando-se assim como a segunda maior queda da União Europeia (UE), divulgou o Eurostat.

De acordo com os dados do gabinete oficial de estatísticas europeu, em Outubro, o volume de vendas do comércio a retalho subiu 0,4% na zona euro e 0,7% na União Europeia face a Setembro, mês em que recuou 1,2% em ambos os espaços económicos.

Comparando Outubro de 2014 com igual mês de 2013, as vendas a retalho aumentaram 1,4% nos 18 Estados-membros que partilham a moeda única e 2% nos 28 da UE.

Em Portugal, na variação homóloga, o comércio a retalho subiu 0,7% em Outubro, completando assim o quarto mês consecutivo de subidas, apesar de ter desacelerado face aos 1,8% de Setembro.

Já na variação em cadeia, o comércio a retalho em Portugal caiu 1,6% em Outubro face a Setembro, mês em que também caiu (-2,5%).

Na comparação mensal, entre os Estados-membros com dados disponíveis, Portugal teve a segunda maior queda no comércio a retalho, a seguir à Eslovénia (-1,9%), sendo que já em Setembro, Portugal também tinha registado a segunda maior queda nesta comparação.

As maiores subidas aconteceram, na variação em cadeia, na Finlândia (2,7%), Alemanha e Reino Unido (cada um com 1,9%).

Em termos homólogos, Luxemburgo (12,5%), Estónia (6,9%) e Eslováquia (6,5%) registaram os maiores avanços, sendo que em sentido contrário se podem destacar Malta (-3,7%) e Eslováquia (-0,1%).

Fonte: ANIL / Lusa / ww.noticiasaominuto.com

 
 
04-12-2014
       
 
   
 
 
home
Página de Entrada
 
Opinião
 
Links Úteis
 
Pesquisa
 
Mapa do Sítio
     
Intranet  
 
Username:
 
 
Password:
 
     
   
Entrada    ::    OMAIAA    ::    Publicações    ::   Mercados   ::   O Seu Olhar    ::    Notícias    ::    Contactos
Copyright 2011 © Observatório dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares