Notícias > Cooperativa Fruta Feia evita desperdício de 100 toneladas de frutas e legumes
  Voltar Imprimir
 

 

 
  Cooperativa Fruta Feia evita desperdício de 100 toneladas de frutas e legumes

No primeiro ano e meio de actividade a cooperativa Fruta Feia evitou o desperdício de 100 toneladas de frutas e hortaliças, contando agora com 650 consumidores associados e uma lista de espera de 2.100 em todo o País.

“A nossa meta era superar as 100 toneladas, o que atingimos esta semana. Hoje em dia, estamos a trazer quatro toneladas do campo, o que, para os agricultores, representa um aumento bastante significativo na sua rentabilidade”, disse Isabel Soares, uma das fundadoras do projecto, em declarações à agência Lusa.

A cooperativa Fruta Feia resulta de uma ideia de quatro amigos para aproveitar cerca de um terço da fruta e vegetais que os supermercados desperdiçam, por considerarem que não têm o aspecto perfeito que os consumidores procuram.

Com a abertura do último ponto de entrega da Fruta Feia em Parede, na linha de Cascais, Isabel Soares considerou ter sido dado mais “um salto no crescimento” do projecto e atingido um dos objectivos para Abril, que era descentralizar a distribuição em Lisboa e abrir o terceiro ponto de entrega.

“Há agricultores nos quais conseguimos, este ano, escoar todo o desperdício que tinham”.

As cestas de ‘fruta feia’ – pequenas com 3/4kg e cinco a sete variedades e a grande com 6/8kg e sete a nove variedades, compostas por frutas e hortaliças, que variam semana a semana conforme a altura do ano – podem ser recolhidas às segundas-feiras na Casa Independente, no Intendente, às terças-feiras no Ateneu Comercial de Lisboa e às quintas-feiras na Sociedade Musical União Paredense, na Parede.

Fonte: Hiper Super

 
 
28-04-2015
       
 
   
 
 
home
Página de Entrada
 
Opinião
 
Links Úteis
 
Pesquisa
 
Mapa do Sítio
     
Intranet  
 
Username:
 
 
Password:
 
     
   
Entrada    ::    OMAIAA    ::    Publicações    ::   Mercados   ::   O Seu Olhar    ::    Notícias    ::    Contactos
Copyright 2011 © Observatório dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares