Notícias > Exportações de bens sobem 7,4 por cento no segundo trimestre
  Voltar Imprimir
 

 

 
  Exportações de bens sobem 7,4 por cento no segundo trimestre

As exportações de bens subiram 7,4 por cento no segundo trimestre, face a igual período do ano passado, e as importações avançaram nove por cento, divulgou o Instituto Nacional de Estatística.

«O défice da balança comercial aumentou 400,6 milhões de euros, situando-se em 2.794,2 milhões de euros, tendo a taxa de cobertura baixado para 82,4 por cento, ou seja, -1,2 pontos percentuais», refere o Instituto Nacional de Estatística (INE).

De acordo com os resultados globais preliminares, as exportações de bens portugueses cresceram 7,4 por cento entre Abril e Junho, face ao período homólogo de 2014, para 13.078 milhões de euros, com as importações a subirem nove por cento para 15.872 milhões de euros.

Em Junho, as exportações de bens cresceram nove por cento e as importações de bens aumentaram 5,4 pontos percentuais (p.p.) em termos homólogos.

A subida das exportações em Junho deveu-se «sobretudo ao comércio intra-UE, dentro da União Europeia, generalizada à quase totalidade dos grupos de produtos, mas em especial nos veículos e outro material de transportes, plásticos e borrachas e outros produtos», explica o INE.

A evolução das importações em Junho ficou também a dever-se à evolução do comércio intracomunitário, «reflectindo o acréscimo de quase todos os grupos de produtos, sobretudo veículos e outro material de transporte e produtos químicos, dado que se registou uma redução no comércio extra-UE».

Excluindo os combustíveis e lubrificantes, as exportações subiram 11,2 por cento em Junho e as importações 13,2 p.p. em termos homólogos, face a Maio o crescimento foi de 1,1 e 6,5 por cento, respectivamente.

Relativamente a Maio, as exportações subiram oito por cento «devido tanto à evolução do comércio intra-UE como do extra-UE, traduzindo o aumento verificado na quase totalidade dos grupos de produtos, em especial nos combustíveis minerais, calçado e máquinas e aparelhos».

Já nas importações, a taxa de variação foi nula, «dado que o aumento das importações intra-UE compensou o decréscimo registado no comércio extra-UE».

No segundo trimestre, as exportações de bens portugueses para os países da União Europeia subiram 8,8 pontos em termos homólogos, correspondendo a uma taxa de cobertura de 80 por cento e a um défice de 2.378,8 milhões de euros. As importações de bens da União Europeia (UE) aumentaram 9,8 por cento no segundo trimestre, face a igual período do ano passado.

No que respeita às vendas de bens portugueses para fora da UE, estas subiram quatro pontos no segundo trimestre, enquanto as compras ao exterior aumentaram 6,4 por cento, o que resultou num défice de 415,3 milhões de euros e numa taxa de cobertura de 89,6 pontos.

«Excluindo os combustíveis e lubrificantes, as exportações extra-UE aumentaram 2,8 por cento e as importações aumentaram 9,7 pontos. O saldo da balança comercial extra-UE, com exclusão deste tipo de bens, atingiu um excedente de 967,9 milhões de euros, a que correspondeu a uma taxa de cobertura de 145,4 por cento».


Fonte: Lusa

 
 
11-08-2015
       
 
   
 
 
home
Página de Entrada
 
Opinião
 
Links Úteis
 
Pesquisa
 
Mapa do Sítio
     
Intranet  
 
Username:
 
 
Password:
 
     
   
Entrada    ::    OMAIAA    ::    Publicações    ::   Mercados   ::   O Seu Olhar    ::    Notícias    ::    Contactos
Copyright 2011 © Observatório dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares