Notícias > Pêra rocha bate recordes de exportação mas está mais barata com embargo russo
  Voltar Imprimir
 

 

 
  Pêra rocha bate recordes de exportação mas está mais barata com embargo russo

A pêra rocha do Oeste ultrapassou este ano o recorde de exportações de 2013/2014, mas o seu preço baixou com o embargo russo e o consequente aumento da oferta de fruta nos mercados europeus, anunciou hoje a associação do sector.

 

Das 201 mil toneladas colhidas em Agosto de 2014 e escoadas até Agosto de 2015, 102 mil foram vendidas no mercado externo, ultrapassando as 100 mil toneladas exportadas na campanha de 2013/2014, de acordo com dados da Associação Nacional de Produtores de Pêra Rocha. (ANP).

 

Apesar dos receios dos efeitos do embargo da Rússia, um dos principais consumidores de pêra rocha, para onde foram exportadas 6.500 toneladas em 2013/2014, cerca de 6,5% das exportações, o sector conseguiu escoar a pera para outros mercados», explicou Aristides Sécio, presidente da ANP, à agência Lusa. A pêra rocha era o produto português mais vendido em quantidade na Rússia.

 

O sector da pêra rocha não só exportou mais fruta para mercados já seus consumidores, como alargou o leque dos países emergentes que começam a provar a pera rocha do Oeste, entre os quais a Arábia Saudita, China, Singapura, Sri Lanka, Nigéria, Gana, Emirados Árabes Unidos e o Uruguai.

 

Contudo, o efeito mais negativo da proibição da Rússia à entrada de produtos europeus foi o aumento da fruta nos mercados europeus, os principais absorvedores dessa oferta. «Como se aumentou a oferta, os preços caíram», frisou.

 

Segundo o dirigente, a desvalorização do Real, no Brasil, o país que mais consome aquela fruta, contribui também para a desvalorização do preço.

 

«Não foi uma boa campanha, porque, por um lado o efeito do embargo russo fez com que os mercados da Europa sobretudo ficassem inundados de fruta e por outro lado assistimos ao esmagamento dos preços. É um ano de má memória para os fruticultores», rematou Aristides Sécio.

 

Na colheita, que decorreu durante o mês de Agosto, o sector conseguiu uma produção de 133 mil toneladas, abaixo de 2014, com 202 toneladas colhidas. Contudo, as pêras são maiores e avizinham-se preços mais altos.

 

«Por razões climáticas e sanitárias, a produção teve uma quebra de 32 por cento. Houve uma quebra de vigamentos que, por si só, é responsável por uma quebra de 10 a 15 por cento da produção. Depois tivemos o problema de um fungo junto à colheira, que afetou entre 25 a 30 por cento», justificou o dirigente.

 

Com o sector a viver das poupanças para evitar despedimentos, a ANP estima que os problemas se possam agravar, a manter-se o embargo russo.

 

«Com menos produção, mesmo que se consiga um melhor preço de venda e com o efeito do embargo russo, naturalmente no horizonte se perspectiva um cenário pouco animador», adianta o presidente da associação.

 

Em 2014/2015, a pêra rocha rendeu ao país cerca de 120 milhões de euros, dos quais 90 milhões obtidos na exportação.

 

 Fonte: Lusa

 
 
11-09-2015
       
 
   
 
 
home
Página de Entrada
 
Opinião
 
Links Úteis
 
Pesquisa
 
Mapa do Sítio
     
Intranet  
 
Username:
 
 
Password:
 
     
   
Entrada    ::    OMAIAA    ::    Publicações    ::   Mercados   ::   O Seu Olhar    ::    Notícias    ::    Contactos
Copyright 2011 © Observatório dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares