Notícias > INE: Previsões agrícolas apontam para uma redução da superfície de cereais Outono/Inverno
  Voltar Imprimir
 

 

 
  INE: Previsões agrícolas apontam para uma redução da superfície de cereais Outono/Inverno

As previsões agrícolas em 31 de Dezembro, do Instituto Nacional de Estatística, apontam para uma diminuição da superfície de cereais de Outono/Inverno, de -5 por cento face a 2016.

Segundo o Boletim Mensal de Agricultura e Pescas de Janeiro de 2017, do Instituto Nacional de Estatística (INE), a actual campanha decorre sem incidentes e as satras apresentam um desenvolvimento vegetativo regular.

Em relação à azeitona para azeite, cuja colheita está próxima da conclusão, espera-se uma diminuição significativa da produção, de -20 por cento, resultante, sobretudo, das condições climatéricas adversas na face de vingamento dos frutos.

No que diz respeito à produção de leite, a recolha de leite de vaca foi de 136,1 mil toneladas, o que representou um decréscimo de 5,8 por cento, -0,6 por cento em Outubro. A produção total de lacticínios diminuiu 3,5 por cento, -0,3 por dento em Outubro, devido ao menor volume de leite para consumo.

Em relação aos preços e índices agrícolas, em Dezembro de 2016 as maiores variações foram observadas na batata, de mais 57,6 por cento; nos suínos, mais 25,7 por cento; nos frutos, mais 13,3; nas plantas e flores, mais 12,7 por cento, azeite a granel, com mais 11,0 por cento e nas aves de capoeira, menos 10,4 por cento.

Em comparação com o mês anterior, as alterações maios significativas registaram-se nos ovos, mais 14,7 por cento; nas plantas e flores, mais 8,7; nos frutos, mais 5,4 e nos ovinos e caprinos, mais 5,1 por cento.

Anexo: Boletim Mensal da Agricultura e Pescas 

Fonte: INE

 
 
26-01-2017
       
 
   
 
 
home
Página de Entrada
 
Opinião
 
Links Úteis
 
Pesquisa
 
Mapa do Sítio
     
Intranet  
 
Username:
 
 
Password:
 
     
   
Entrada    ::    OMAIAA    ::    Publicações    ::   Mercados   ::   O Seu Olhar    ::    Notícias    ::    Contactos
Copyright 2011 © Observatório dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares