Notícias > Julho: mês de plena colheita de cereal no hemisfério Norte
  Voltar Imprimir
 

 

 
  Julho: mês de plena colheita de cereal no hemisfério Norte

Início das colheitas no hemisfério Norte com expectativas de grande volume exceção da Espanha e os trigos Primavera de alta qualidade nos EUA e França.

Em primeiro lugar há que ressaltar o resultado altista do relatório USDA de 30 de Junho, com uma descida da superfície de sementeira nos Estados Unidos para o milho (-3%) e o trigo (-9%) e o crescimento para a soja (+7%). O impacto altista para os três produtos na bolsa de Chicago foi imediato, incluída a soja. Até agora temos tido um mercado de matérias-primas com pouco movimento de preços devido, em parte, a que o dinheiro está em mercados mais atraentes que as matérias-primas. Outro indicador é que os fundos de investimento estão muito curtos em posições especulativas de matérias-primas para o habitual nesta altura.

CEREAIS

Após a retenção de venda na Europa no mês passado, que provocou uma recuperação dos preços no interior e nos portos de Espanha, as colheitas no Hemisfério Norte já se iniciam sem grandes surpresas e com expectativas de grande volume (ainda que 3% inferiores ao nível mundial), salvo as exceções já de Espanha e as complicações das últimas semanas nos trigos de Primavera de alta qualidade nos USA. Além disso, a Agritel reduz a condição do trigo de farinha francês. Ambos os dados têm dupla leitura, de ser altistas para o trigo de alta qualidade ao mesmo tempo que baixistas para os trigos destinados a ração na Europa.

MILHO

No caso do milho, a decisão da China, de descer 20 milhões de toneladas o stock, em troca de outros co-produtos e a grande produção do Brasil, junto aos câmbios na moeda (Real e USD vs Euro), situam-no com grande disponibilidade nos mercados.

Estes indicadores fizeram com que os preços do milho estejam nos níveis mais baixos da campanha e, no caso do trigo, se tenha produzido um salto mesmo antes do início da colheita.

SOJA

Os consumos continuam a crescer ano após ano e, graças aos bons rendimentos e aumento de superfícies, o balanço está muito saneado e, em consequência, os stocks de segurança mundiais são confortáveis.

Entramos no período mais complicado para a evolução das culturas nos Estados Unidos, qualquer anúncio de clima adverso para as duas semanas seguintes pode levar a uma subida brusca dos preços e, como foi referido no princípio deste documento, as curtas posições dos fundos de investimento podem ver a necessidade de ser compradas e magnificar um movimento no preço.

Por outro lado, se o clima for benéfico durante ambos os meses e a colheita nos EUA terminar com bons rendimentos (50 bushel/acre) como se espera, muito possivelmente os preços continuariam a descer progressivamente.


Fonte: 3tres3


 
 
10-07-2017
       
 
   
 
 
home
Página de Entrada
 
Opinião
 
Links Úteis
 
Pesquisa
 
Mapa do Sítio
     
Intranet  
 
Username:
 
 
Password:
 
     
   
Entrada    ::    OMAIAA    ::    Publicações    ::   Mercados   ::   O Seu Olhar    ::    Notícias    ::    Contactos
Copyright 2011 © Observatório dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares