Notícias > INE: Baixas previsões de produtividades nos cereais. Fruteiras com bons desempenhos produtivos.
  Voltar Imprimir
 

 

 
  INE: Baixas previsões de produtividades nos cereais. Fruteiras com bons desempenhos produtivos.


No final de maio de 2017, as previsões apontam para um bom ano nas fruteiras, estimando-se um considerável aumento da produtividade da cereja face à campanha passada (a pior da última década), devendo ultrapassar as 3 t/ha. No pêssego também são esperados aumentos nos rendimentos unitários (+15%). Em contrapartida, nos cereais de outono/inverno, e devido às elevadas temperaturas e falta de humidade do solo nas fases de floração e início de formação do grão, as previsões apontam para decréscimos generalizados das produtividades.

Para as culturas de primavera/verão, excetuando a batata de regadio (que deverá aumentar a área plantada em cerca de mil hectares) e o tomate para a indústria (com sensivelmente a mesma área contratada da campanha passada), observam-se diminuições nas áreas, nomeadamente no milho (-5%, resultado da manutenção dos baixos preços de mercado e da menor disponibilidade de água de rega), no arroz (-5%, também devido aos baixos níveis de armazenamento de água nas albufeiras) e no girassol (-10%).


A recolha de leite de vaca foi de 171,0 mil toneladas, o que representa praticamente uma manutenção, com uma variação de -0,1% (+1,3% em abril). A produção total de lacticínios registou uma variação de -0,4% (-0,1% em abril), sendo de referir um maior volume de leite para consumo (+0,6%) e de queijo de vaca (+9,3%).

Em junho de 2017, as alterações de maior amplitude no índice de preços de produtos agrícolas no produtor registaram-se no azeite a granel (+24,8%), nos suínos (+15,2%), nos ovos (+14,7%), na batata (-58,5%) e nos hortícolas frescos (-25,7%). Em relação ao mês anterior, as variações mais significativas verificaram-se no azeite a granel (+13,3%), nos hortícolas frescos (+10,2%), na batata (-56,2%) e nos frutos (-16,8%).

No ano agrícola 2015/2016 a produção vegetal foi afetada pelas condições climatéricas, com impactos nos preços à produção (índice de preços da produção vegetal aumentou 11,6%) e nas importações, nomeadamente do grupo "frutas, cascas de citrinos e de melões" cujo valor aumentou 21,9%. A atividade pecuária registou aumentos de produção das carnes de bovino (+2,3%) e aves (+4,9%) e decréscimos nas produções de leite (-4,4%) e ovos (-2,9%). No setor florestal, assinala-se a dimensão da área ardida, que mais do que duplicou face a 2015 (160,7 mil hectares), a maior desde os grandes incêndios de 2005.


Fonte: INE



 
 
24-07-2017
       
 
   
 
 
home
Página de Entrada
 
Opinião
 
Links Úteis
 
Pesquisa
 
Mapa do Sítio
     
Intranet  
 
Username:
 
 
Password:
 
     
   
Entrada    ::    OMAIAA    ::    Publicações    ::   Mercados   ::   O Seu Olhar    ::    Notícias    ::    Contactos
Copyright 2011 © Observatório dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares