Notícias > Apenas 5% de todos os vegetais cultivados no mundo são exportados
  Voltar Imprimir
 

 

 
  Apenas 5% de todos os vegetais cultivados no mundo são exportados


O mercado mundial de legumes frescos continua a ser predominantemente local, marcado pelas preferências regionais.  Na verdade, apenas 5% desses produtos são comercializados internacionalmente.

Estes dados são revelados pelo "World Vegetable Map 2018" da Rabobank, que mostra os fluxos comerciais dominantes neste mercado. Desta forma, identifica as tendências internacionais, como o surgimento do cultivo de vegetais em estufa e as iniciativas de agricultura vertical, uma mudança em crescimento face aos vegetais cultivados organicamente e a popularidade dos vegetais minimamente processados. "Apenas cerca de 5% de todos os vegetais cultivados em todo o mundo são exportados, mas esta percentagem está a aumentar. As batatas doces são um exemplo de um vegetal cuja popularidade aumentou consideravelmente nos últimos anos e as importações desse vegetal na União Europeia triplicou ao longo de um período de quatro anos", afirma Cindy van Rijswick, analista da Rabobank Research.

A existência contínua de um equilíbrio de livre comércio é vital para o sucesso dos países produtores de vegetais orientados para a exportação, como o México, a Espanha e os Países Baixos.

Estima-se que 70% de todos os vegetais cultivados em todo o mundo sejam vendidos como produtos brutos frescos. Cerca de 5% a 10% de todos os vegetais cultivados são processados, enquanto uma parte maior acaba como lixo ou é usada no fabrico de alimentos para animais.

O congelamento ou conservação de vegetais contribui significativamente para evitar o desperdício, mas, ao mesmo tempo, a popularidade dos vegetais enlatados e embalados está a diminuir. Isso coincide com uma crescente popularidade das saladas processadas, isto é, pré-cortadas, pré-lavadas e pré-embaladas, a chamada quarta gama.

Dentro da Europa,  Espanha e os Países Baixos continuam a liderar quando se trata de complementar a oferta de vegetais cultivados no país. Os abastecimentos espanhóis e holandeses de tomates, pimentões e pepinos complementam-se entre si, dependendo da estação, e também concorrem uns com os outros, especialmente na primavera e no outono. As cebolas de conservação cultivadas na Holanda são exportadas para todo o mundo, da África ao sudeste asiático, para complementar a oferta local.

Ao contrário de há uma década atrás, quando as importações de vegetais estavam principalmente limitadas à América do Norte, Europa Ocidental e Japão, estamos a ver novos mercados de importação a emergir, diz Cindy van Rijswick. "A Índia, a China e os Emirados Árabes Unidos são alguns exemplos de países onde as importações de vegetais aumentaram significativamente nos últimos anos. Além de serem produtores em massa de vegetais combinados, representam dois terços de toda a produção mundial, a Índia e a China também se estão a tornar mais dominantes nas importações e exportações de vegetais".

Além do crescimento de estufas de plástico e vidro, o "World Vegetable Map 2018" destaca que "estamos a testemunhar uma emergência global de novas iniciativas, como a ‘agricultura urbana’ e a ‘agricultura vertical’. A última envolve o crescimento sob condições controladas e sem luz natural, embora outros sistemas agrícolas também estejam classificados nesta categoria".

Existe um crescente interesse pela agricultura vertical em todo o mundo, embora a maioria das iniciativas esteja atualmente concentrada no hemisfério norte, perto de grandes aglomerações populacionais, na América do Norte, Europa Ocidental e nordeste da Ásia. Embora a agricultura vertical sirva como uma adição valiosa aos métodos de cultivo predominantes em áreas e para culturas específicas, o Rabobank não espera que predomine frente às culturas vegetais tradicionais.






Fonte: Grande Consumo

 
 
01-02-2018
       
 
   
 
 
home
Página de Entrada
 
Opinião
 
Links Úteis
 
Pesquisa
 
Mapa do Sítio
     
Intranet  
 
Username:
 
 
Password:
 
     
   
Entrada    ::    OMAIAA    ::    Publicações    ::   Mercados   ::   O Seu Olhar    ::    Notícias    ::    Contactos
Copyright 2011 © Observatório dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares