Notícias > Abate de bovinos nos Açores mantém tendência de crescimento
  Voltar Imprimir
 

 

 
  Abate de bovinos nos Açores mantém tendência de crescimento


O abate de bovinos na Região Autónoma dos Açores para consumo local cresceu 6,3% e para exportação quase 14% nos primeiros quatro meses deste ano, comparativamente com o período homologo de 2017, informou a 9 de Maio, a Secretaria Regional da Agricultura e Florestas.

O total de bovinos aprovados para abate nos matadouros dos Açores totalizou cerca de 21 mil cabeças, o que representa um crescimento de 10,2% entre Janeiro e Abril de 2018, face ao mesmo período do ano anterior.

É ainda de destacar o aumento expressivo de cerca de 33% no abate de carne com Identificação Geográfica Protegida (IGP), passando de 621 cabeças em 2017 para 823 cabeças em 2018.


Aumento dos preços

De acordo com dados dos operadores no mercado regional, verificou-se, entre Janeiro e Abril de 2018, comparando com igual período de 2017, uma valorização no preço de 15 a 20 cêntimos por quilo nos vitelões e novilhos, e 10 a 15 cêntimos por quilo na carne de vaca.

Esta dinâmica na fileira da carne de bovino resulta do trabalho e da aposta que os produtores têm feito na fileira, bem como das políticas pública adotadas pelo Governo Regional e do investimento que tem sido levado a cabo, nomeadamente ao nível da rede regional de matadouros.

O aumento do consumo local de carne nos Açores está ainda relacionado com o crescimento do sector do turismo na Região.

A nível nacional, o aumento da exportação de gado vivo para países como os do norte de África tem feito com que haja maior escassez de carne no país, levando a um aumento da procura pela carne dos Açores.






Fonte: Agricultura e Mar Actual

 
 
11-05-2018
       
 
   
 
 
home
Página de Entrada
 
Opinião
 
Links Úteis
 
Pesquisa
 
Mapa do Sítio
     
Intranet  
 
Username:
 
 
Password:
 
     
   
Entrada    ::    OMAIAA    ::    Publicações    ::   Mercados   ::   O Seu Olhar    ::    Notícias    ::    Contactos
Copyright 2011 © Observatório dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares